Castas da Vida: Sugestões para o Outono

Olá a todos.

Chegamos a Novembro, a par do Outono que já nos convida a brindes mais caseiros, no conforto de casa. Estamos muito felizes com as escolhas deste mês: vinhos com carácter, com muita história e vindos de gente boa.

 

Garrafa de Vinho Quinta de São Bartolomeu

Quinta São Bartolomeu – Chardonay Arinto

Acabei de servir um copo de Quinta São Bartolomeu – Chardonay Arinto. Mais do que qualidade e frescura surpreendentes, este vinho é a fonte da união de amigos: os do Castas, o Rodrigo Salgado do Wine With Salt e o João Folque.

O Rodrigo foi o ponto de contacto, já que nos apresentou o vinho e o produtor. O João, que já tivemos o privilégio de receber no nosso mercado, e que sempre nos apoiou, tornou-se um amigo muito próximo do Castas e connosco partilha muitos destes momentos em que partimos à descoberta de novos rótulos.
No geral, todos os que saem da Quinta São Bartolomeu são vinhos exemplarmente bem feitos, sem “ vaidosidade“ nem presunção. Vinhos honestos, de gente honesta e dedicada.

 

Garrafa de Vinho Identidade AM

Identidade AM

Chegou o Pedro Morais, o outro Castas Man e vinha com uma garrafa de Identidade AM na mão.

Seja que rótulo for que venha do Pedro Martin (AM, OM, BONE, 2061), todos são o que se espera de uma pessoa como ele: irreverentes, claros, transparentes, com raça, a mostrar que não se está a fazer vinho para ser mais um.
A sua Martin Boutique Wines, faz um trabalho sério, e ajuda de forma bem natural no objectivo global de levar as pessoas a gostarem cada vez mais de vinhos.

Olhando para o copo, dizia ao Pedro que este AM é um vinho sério. Sem dúvida, é um vinho que levaria para fechar um deal. Já estou a imaginar: copo aberto, cheiro forte e característico da região do Dão, o negócio a acontecer, e no final um brinde ao sucesso.

 

Garrafa de vinho Senhora da Arrábida

Senhora da Arrábida

Enquanto ríamos imaginando o fecho do nosso imaginário negócio multimilionário, eis que entra o Bernardo Crespo, o terceiro dos Castas Men. Obrigado a trazer também ele uma garrafa, optou por um Senhora da Arrábida da Península de Setúbal (2015). Uma das 720 garrafas exclusivas está aqui connosco, aberta à nossa frente!

Este Castelão único, um vinho de paixão feito por dois amigos que arriscaram trazer de volta os sabores salinos) tem uma cor carregada e um aroma intenso, mineral e frutado.

Arriscado, Irreverente e Inquieto serão os termos que melhor o definem, e por ser uma produção limitada, cada garrafa merece ser partilhada com o seu produtor, Joaquim Arnaud. O Joaquim é para nós sinónimo de muitas histórias, vinhos e petiscos, e os seus vinhos são o reflexo da sua pessoa. Imaginem “engarrafar” uma pessoa: agarrar no Joaquim, nas suas ideias, na sua postura, e encontrar tudo isso dentro de uma garrafa.

 

Garrafa de Vinho Monte Branco

Monte Branco

Falando de edições exclusivas, espreitámos ali na garrafeira e abrimos um Monte Branco, um alentejano de 2015, vinho para rijos. Mas aqueles rijos que sabem o que é bom. Isto não é um vinho, é o que chamo entre amigos, um VINHÃO.

Ao abrir faz-me lembrar um petisco organizado pelo seu produtor, Luís Louro, na adega Monte Branco, onde provámos muitos dos outros seus excelentes vinhos, mas onde aquele brinde final com um Monte Branco, é o que fica.
Este vinho é isso: no fim é sempre lembrado e impossível de esquecer. Um abraço, Luís!

 

1000 Curvas Único

E se numa mão trouxémos o Monte Branco, na outra, um 1000 Curvas Único, um espectacular branco do Douro com castas Chardonnay e Alvarinho.

Este vinho não nos deixa indiferentes. Para mim, vinho é ligações com pessoas, é sentar à mesa e abrir a conversa. Conta uma história aqui, conta outra ali. E foi assim que conheci o Rodrigo e a sua família, na mesa da Quinta da Castanheira, com aquela vista incrível que só o douro vinhateiro nos oferece, e a boa educação com que fomos e somos sempre recebidos.

Não sei se foi o produtor que passou os seus valores ao Único ou o Único ao seu produtor. Mas está lá tudo.

 

Garrafa de Vinho Quinta Daniel

Quinta Daniel

Para fechar esta mesa, brindamos com um Quinta Daniel, aquele Douro que enche os olhos a qualquer “apreciador sério“ de vinhos. Muitas vezes penso que poderia gastar grande parte do meu ordenado em vinho, e aqui seria muito bem investido!

Esta seria sempre uma garrafa que ofereceria ao meu patrão para terminar um dia de trabalho ou prepará-lo para pedir um aumento. O vinho às vezes tem esse poder… Acho que vou experimentar um dia destes, só para ver o que acontece!

 

Meus amigos, bem-vindos ao Castas da Vida. Estamos muito felizes de vos ter por perto e esperamos partilhar muito da vida convosco. Sempre com um copo de bom vinho na mão.

Boas conversas, boas partilhas e desfrutem da nossa selecção deste mês.
Em Novembro, “Castaremos”.

Deixe um comentário

Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos